O perdão e seu impacto na saúde emocional

Você sabia que perdoar faz muito bem a sua saúde emocional? Ao contrário do que muita gente pensa, perdoar não está relacionado a questões espirituais e religiosas. Pelo menos, não apenas a essas práticas. Perdoar está relacionado a seu bem-estar mental e também físico. Sim físico. Porque somos seres unos, complexos e indivisíveis. E o mental afeta o físico e o físico o mental. Então se você quer saber mais sobre como o perdão pode impactar na sua saúde não deixe de conferir o artigo. Nele iremos falar sobre:

  • O que é o perdão?
  • Como ele afeta a nossa a saúde emocional
  • Por que é tão difícil perdoar?
  • O que podemos fazer para cultivar a prática do perdão?

 O que é o perdão?

Perdoar é deixar a afetação de uma mágoa, de um mal-estar psíquico passar. É poder lembrar da situação ruim, que gerou dor, sem ela te gerar afetação emocional. É abrir mão do sentimento ruim que o fato gerador da mágoa traz.

O perdão não é algo que você faz em prol do outro que te feriu, o perdão é antes de tudo um ato de amor próprio. Uma libertação da mágoa, é permitir se curar de uma ferida emocional. É liberar a sua mente de sentimentos ruins e pensamentos negativos, para abrir espaço para a paz interior entrar.

Claro que perdoar não é tarefa assim tão fácil. Existem pessoas com maior facilidade para perdoar do que outras. E isso não existe muita explicação lógica. As pessoas são diferentes, e as disposições emocionais também são distintas.

Como o perdão afeta a nossa saúde emocional?

A primeira coisa que temos que entender é que quando algo nos acontece, seja bom ou ruim, isso gera sentimentos e afetações físicas e emocionais. Por exemplo: quando recebemos uma notícia boa é natural sentirmos alegria e euforia. Nossos batimentos cardíacos se aceleram, somos invadidos por uma vontade de gritar, de pular, de nos movimentar. Quando recebemos uma notícia triste sentimos tristeza. Somos invadidos por uma vontade de ficarmos mais quietos, de isolamento, mais contemplativos. Podemos por vezes chorar, falar do que aconteceu. Todas essas reações são naturais e espontâneas. Não temos controle sobre elas.

O problema está quando esses sentimentos ruins, gerado por um acontecimento ruim, duram por muito tempo. Quando não conseguimos deixar essas emoções ruins passarem, apesar de já ter passado bastante tempo. Acabamos remoendo o fato, e toda vez que remoemos trazemos à tona todos esses sentimentos ruins e consequentemente as reações físicas que dela decorre. Isso gera mágoa. E a mágoa guardada por muito tempo se transforma em amargura. A mágoa e amargura trazem uma série de comportamentos defensivos, que gera tristeza e dificuldades nas relações interpessoais.

Por que é tão difícil perdoar?

Como vimos, algumas pessoas têm mais dificuldades que outras para perdoar. Além das particularidades de cada um, no que tange a elaboração de seus sentimentos, existem alguns fatores que podem contribuir para essa dificuldade. São algumas confusões que acabamos fazendo. Confusões essas que não temos total clareza que ocorrem.

Primeira confusão: Perdoar é concordar que quem me magoou está certo

Muita gente acredita que se perdoar a pessoa que o ofendeu, estará concordando que o que ela fez está certo. E que sua mágoa não tem razão de ser. Na verdade perdoar não tem nada a ver com isso. Perdoar é simplesmente deixar de se machucar todas as vezes que lembra daquele fato. Isso não significa que você não tem motivos suficientes para se sentir magoado, irritado, decepcionado, chateado com o que aconteceu. A diferença é que ao perdoar você está escolhendo não sofrer mais por isso que já passou e não tem como ser mudado.

Segunda confusão: Perdoar é esquecer o que o outro me fez

Tem gente que acredita que se perdoar quem lhe magoou terá que esquecer a ofensa e agir como se nada houvesse acontecido. E como não consegue mais ter a mesma relação que tinha antes da ofensa, acaba não conseguindo deixar essa afetação passar. Na verdade, você não precisa esquecer da ofensa e nem voltar a se relacionar com a pessoa que te feriu, se você assim julgar ser a melhor escolha. Perdoar significa apenas que você não permitirá mais que essa lembrança lhe gere todos os sentimentos e emoções de mal-estar que vem lhe causando. É lembrar do fato sem afetação emocional.

Terceira confusão: Não devia ter permitido que tal situação acontecesse

Nesse caso a dificuldade está em perdoar a si. É a crença de que se você tivesse sido mais esperto, mais atento, não teria se decepcionado. Teria percebido o que iria acontecer e teria evitado. Isso é muito comum nas pessoas que sentem a necessidade de controlar tudo. Que acreditam que podem controlar todas as situações. Essas pessoas acabam exigindo de si uma infalibilidade. Não se permitem errar. E sofrer uma decepção, uma traição, significa que não conseguiram avaliar corretamente a situação ou a pessoa com quem se relaciona. Como se fossem capazes de prever o futuro e ter controle de todos os fatos.

Bom, você não pode evitar que as pessoas traiam a sua confiança. Mas, uma vez que isso tenha acontecido, você pode aceitar que isso acontece com todo mundo e entender que isso faz parte da vida. Nunca se arrependa do bem que você fez aos outros. Se alguém traiu a sua confiança isso é um problema da outra pessoa, ela que errou, que pisou na bola e não você! Você não tem culpa pelo comportamento errado da outra pessoa. Apenas aprenda com a situação e siga em frente sem culpas e sem ressentimentos.

O que podemos fazer para cultivar a prática do perdão?

Primeira coisa é entender que todo mundo irá passar por situações de ofensas, mal-entendidos, traições e frustrações. Isso faz parte da vida. E precisamos aprender a lidar com isso para que consigamos nos manter emocionalmente saudáveis, leves e felizes. Podemos escolher deixar uma ofensa passar ou retê-la e cultivar a mágoa. A mágoa vira rancor, que por sua vez se transforma em amargura. Só você tem o poder de cultivar o ressentimento ou deixa-lo passar. A escolha é sua.

Segundo é tentar sair um pouco de si e tentar se colocar no lugar do outro. Muitas vezes nossa dor ganha proporções enormes porque nos fixamos em nossa dor. E acabamos vendo o fato apenas sob essa perspectiva. Tente analisar os fatos de outras perspectivas. E se possível tente enxergar a parte que lhe cabe na responsabilidade pelo que ocorreu. Muitas vezes percebemos com muita clareza a ofensa que o outro nos fez, mas temos dificuldades de ver o que fizemos para motivar aquela reação no outro. Saindo da posição vítima e buscando ver a parte que lhe cabe na história, irá a te ajudar a entender a motivação do comportamento do outro. E assim a ofensa até então imperdoável, poderá ganhar novo sentido e ter seu impacto minimizado.

Porém, se ao analisar a situação você constar que a ofensa foi gratuita, que você não fez nada que pudesse motivar tão ato, procure entender que você não tem culpa pelo que aconteceu. Aconteceu por dificuldades da outra pessoa. Seja porque ela não soube lidar com a situação por questões dela, seja por não ser uma pessoa boa mesmo que enganou todo mundo. Acredite, se esse for o caso, você não foi o único a ser enganado e frustrado. Entenda que ninguém está imune a passar por isso. Aceite que isso faz parte da vida e siga em frente. Não fique remoendo e cultivando sentimentos de culpa, rancor e vingança. Isso só retém a mágoa e impede que você se liberte desses sentimentos negativos que geram tanto sofrimento.

Outro ponto importante é tenha paciência. Entenda que todo sentimento de mágoa precisa de um tempo de elaboração. Toda dor precisa de tempo para ser ressignificada e passar. Não há fórmula mágica e nem maneira de acelerar o processo. Apenas lembre-se que tudo passa e essa dor também irá passar se assim você o permitir. Apenas não cultive os sentimentos negativos. Evite ficar falando do assunto, repetindo inúmeras vezes o acontecimento. Seja para outras pessoas seja para si mesmo. Sempre que pensamentos e lembranças do fato vierem a cabeça acolha, chore se sentir vontade, e depois busque pensar que o que aconteceu já passou. Que esse mal-estar também vai passar. E que não vale a pena ficar remoendo isso. Com o tempo as lembranças vão se enfraquecendo e a afetação vai diminuindo.

Perdoar é antes de tudo uma decisão. É se propor a essa prática e buscar os meios de alcançá-la. Requer disposição, ato de vontade e trabalho. É preciso antes de tudo querer perdoar, querer abrir mão da mágoa, se propor a dar outros sentidos ao que lhe aconteceu.

Coloque seu e-mail e receba nosso conteúdo gratuitamente.
Receber